Tô não tô

Um ciclo que se fecha…

Em 1992, meu pai construiu uma casinha de madeira com três quartos, sala de estar e jantar conjugadas, cozinha e banheiro, onde ele iria morar com minha irmã mais velha e meu irmão (na época tínhamos só um irmão, hoje temos 2). Mais pais estavam há cinco anos separados, e eu, minha irmã gêmea e outra irmã morávamos com minha mãe.

Alguns anos depois, hoje é confuso na minha memória, mas acho que eu tinha uns 13 anos, aconteceu uma coisa bem complexa nas nossas vidas, e fomos todos morar com meu pai. Éramos então meu pai e cinco filhos adolescentes (entre 13 e 18 anos) morando em uma casa de 3 quartos e 1 banheiro. Hoje, olhando pra trás, parece que foram ao mesmo tempo tempos muito difíceis e muito felizes.

Éramos 5 adolescentes que se odiavam, como todo irmão, mas que tínham uma cumplicidade gigantesca. Como todas as famílias, temos uma série de bordões que foram criados naquela época e que até hoje nos fazem rir. E que nem adiantaria contar aqui, vocês não iriam entender.

Em 1995 (vocês já repararam que quando a gente é criança, adolescente, parece que os anos são muito mais longos? Vejam bem, entre 1992 e 1995 parece que aconteceram muito mais coisas do que entre 2009 e 2012!) minha irmã engravidou, minha mãe precisou, e chegamos a um ponto em que morávamos todos nessa casinha (sim, meus pais separados dividiam a mesma casa, vai entender).

Por morarmos perto da praia, nossa casa era destino obrigatório da parte desterrada da família nas férias, de inverno E verão. Então, são muitas memórias pra uma casa tão pequena!

Mas por que eu estou contando tudo isso? Porque na última quarta-feira a casa caiu. Literalmente. Depois de 20 anos fazendo parte da trajetória da família, nossa querida casinha foi abaixo, para dar lugar a outra, maior e melhor. E com ela foram junto muitas alegrias e tristezas, muitos altos e baixos, muitos sucessos e fracassos. E muitos corações apertadinhos…

Obrigada Casa da Lagoa. Foi muito bom enquanto durou!

Anúncios

Um comentário em “Um ciclo que se fecha…

  1. Acho que não quero ver a casa caída… embora cheia de cupim, ela era muito simpática e acolhedora… me despedi dela com beijos e abraços… vai ficar na minha memória para sempre!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s