Tô não tô

Por um Brasil Literário

O Movimento por um Brasil Literário foi lançado em 2009 na Flip por algumas organizações (entre elas o Instituto C&A, a associação organizadora da Feira e a Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil) que ansiavam pela transformação do País em uma sociedade leitora. Eu não conhecia esse movimento, até deparar com esse vídeo aí em cima, que foi produzido em 2010 e lançado na Flip deste ano. Objetivos, formas de participar, foruns e videos completos com entrevistas podem ser acompanhados no site do Movimento: http://www.brasilliterario.org.br/

Anúncios
Tô não tô

Leituras

Acho que posso considerar esse primeiro semestre de 2011 como aquele em que li alguns dos melhores livros da minha vida. Ok, Cem Anos de Solidão e As Travessuras da Menina Má ainda lideram a lista dos mais-mais, mas esses livros de 2011 furaram a fila em grupo, tipo quando a gente ia almoçar no RU e a fila formava uma barriga à medida que os amigos chegavam.

Gosto muito de receber indicações de livros, e em geral tenho sido presenteada com belas dicas!

Desde julho do ano passado, quando fiz um post comentando as últimas leituras, foram sete livros – quatro deles por indicação. Fui emendando um no outro. Alguns tive que acelerar a leitura pra devolver logo, outros fui me estendendo pra descansar da correria do livro anterior. E é nesse último caso que me encontro no momento (há mais de um mês lendo um livro com pouco mais de 200 páginas).

Lista de leitura recente:

1. Espere a Primavera Bandini – John Fante

O John Fante é um clássico do curso de Jornalismo e dele só tinha lido Pergunte ao Pó, em uma versão xerocada porque era difícil encontrar exemplares impressos em sebos, muito menos em livrarias (em 2001 mais ou menos). Enfim, peguei Espere a Primavera Bandini emprestado da queridíssima Fe para corrigir essa falha no meu histórico de leituras. Demorei a pegar no tranco, mas depois que me apeguei ao Bandini criança, à coitada da mãe dele, e ao constante frio, não consegui mais largar.

2. La pregunta de tus ojos – Eduardo Sacheri

Livro que originou o filme O segredo de teus olhos, vencedor de melhor filme estrangeiro do Oscar 2010. Dizem que o filme é fantástico, e eu fiquei até o meio do livro querendo entender por quê. Mas do meio pro fim a história toma novos rumos e o final é surpreendente. Conta a história de uma investigação de assassinato que dura mais de 20 anos, sobre as transformações por que passam os envolvidos. Foi também o segundo livro em espanhol que li ano passado.

3. Primavera num espelho partido – Mário Benedetti

Conta a história de uma família desmembrada no período de ditadura no Uruguai. Santiago preso político, e seu pai, mulher e filha são obrigados a exilar-se em outro país. A história é encantadora do início ao fim, desde a narrativa na voz da filha pequena, passando pelas cartas trocadas entre pai e filho e a pela tentativa de esposa e marido preso para a manutenção do casamento. Esse livro fala do amor em tempos de ditadura.

4. Tia Julia e o escrevinhador – Mario Vargas Llosa

Esse foi o primeiro livro de 2011, depois que uma depressão pós-livro dificultou a escolha de novos títulos. Foi uma feliz indicação e empréstimo do meu amigo @tadeumeyer. É a história de um jovem jornalista e sua relação com a Tia Júlia (irmã de sua tia) e com o escritor de radionovelas Pedro Camacho. Narrado em primeira pessoa, o livro é intercalado com as narrativas fantásticas criadas para as radionovelas.

5. Um certo Capitão Rodrigo – Érico Veríssimo

Romance que integra a trilogia O Tempo e o Vento, conta a história de quando o Capitão Rodrigo Cambará chega à cidade de Santa Fé e entra para a vida da família Terra. O livro tem cerca de 200 páginas, mas para mim poderia ter 600, 700… Me apaixonei pelo jeito bonachão do Capitão Rodrigo e pela coragem de Bibiana Terra e sua vó Ana Terra, que não cheguei a conhecer. Pretendo em breve me embrenhar na trilogia completa.

6. Equador – Miguel Souza Tavares

Portugal, 1905. Por livre e espontânea pressão, o empresário Luis Bernardo larga a boa-vida e a boemia na Capital e assume o cargo de governador na distante São Tomé e Principe. A missão é convencer o consul inglês de que não existe mais escravidão lá. Mas além da luta com os fazendeiros locais para melhorar as condições dos trabalhadores rurais, Luis Bernardo trava uma luta contra o próprio coração. Contagiante do início ao fim.

7. Passado Perfeito – Leonardo Padura Fuentes

Mais um policial na lista, esse eu comecei em maio e ainda não terminei. Um pouco porque a leitura do Equador foi muito intensa, e outro pouco porque talvez ele não seja tãaao envolvente assim. O livro é narrado em primeira pessoa pelo tenente Mario Conde, e conta a história de um desaparecimento, e a investigação do caso. No momento estou na metade.

Ps. Quando eu estava na minha depressão pós-livro do Primavera num espelho partido, pedi várias indicações para pessoas que sei que têm gosto parecido com o meu. Meu pai me indicou um ou dois livros e ficou por isso. Acho que um mês depois ele veio aqui em casa e trouxe especialmente uma sacola com 10 livros! Entre eles, Equador e Passado Perfeito. Sendo assim, espero não ter novas depressões pós-livro tão cedo.

A saber:

  • O Medo de Montalbano – Andrea Camilleri
  • Um mês com Montalbano – Andrea Camilleri
  • A voz do violino – Andrea Camilleri
  • A lua de papel – Andrea Camilleri
  • O Cão de Terracota – Andrea Camilleri
  • Gone, Baby, Gone – Dennis Lehane
  • Coronado – Dennis Lehane
Tô não tô

A belas coisas…

“E as belas coisas, que é do céu contê-las,

Por um círculo eu vi no céu profundo;

E ali saímos a rever estrelas.”

Quando Está bêbado, gosta de declamar esses versos que, segundo ele, são os mais perfeitos que alguém jamais escreveu.

– Pensem – diz ele -, Dante está finalmente saindo do inferno e é isso que vê. “As belas coisas, que é do céu contê-las.” É perfeito, sem dúvida alguma. Simplesmente perfeito. Disse ao meu professor que ninguém pode entender esse verso melhor que um africano, pois é exatamente o que vivemos. Um inferno cotidiano, e, no meio, apenas uns breves vislumbres do céu.

(bonito, né? Li num livro.)

Tô não tô

Uma surpresa para mamãe!

Ontem fiz uma surpresa para minha mãe, que veio a São Paulo me visitar.

Por acaso descobri que o Zeca Baleiro ia lançar 2 cds e 1 livro na Livraria da Vila, em Moema, justo ontem, no dia em que ela chegou aqui!

O Zeca é uma das grandes paixões da minha mãe. A faculdade de gastronomia, que ela terminou em abril, foi embalada ao som de suas músicas.

A coincidência foi um prato cheio! Decidi fazer uma surpresa: só falei pra ela que precisaria estar pronta às 18h, e mais nada.

Fomos até lá de ônibus, caminhamos um monte, e ela só descobriu o que era quando chegou na frente da livraria e viu o banner com a foto dele!

Foi muita emoção!

Acho que ficamos uns 10 minutos conversando. Ele é um fofo, simpático e muito atencioso… um querido!

E eu fiz a passagem da minha mãe por aqui valer por mil!!!

E digo calma alma minha...

 

Tô não tô

Libro nuevo

Vou começar um livro novo agora: Espere a Primavera, Bandini (John Fante). No momento vivo a sensação mista que envolve começar e terminar livros. Ainda não consegui definir qual das duas é a mais deliciosa…

Em 2010, li pouco, mas li bons livros. A quem interessar:

1. Após o Anoitecer (Haruki Murakami): a história se passa em uma noite em que dois jovens se conhecem num café no centro de Tókio em uma madrugada. Eles se encontram diversas vezes ao longo da noite e passam a se conhecer melhor. O livro trada de solidão e das dificuldades das relações humanas. Gostei muito.

.

.

2. Eat Pray Love (Elizabeth Gilbert): esse livro eu ganhei de presente do meu irmão, que mora na Austrália, portanto li em inglês. É a história de uma mulher que supera uma série de problemas pessoais embarcando numa viagem por Itália (Comer), Índia (Rezar) e Indonésia (Amar) ao longo de um ano. Inicialmente eu tinha preconceito por conta de toda a onda que fazem em torno dele, e também por figurar nas prateleiras de auto-ajuda. Mas ele me surpreendeu, além de ter caído nas minhas mãos num momento muito oportuno. Por ser em inglês, acabei levando muito tempo pra terminá-lo (cerca de 360 págs em 2,5 meses).

.

3. La Borra del Café (Mario Benedetti): depois de ler um livro em inglês, tive que honrar minhas aulas de espanhol lendo esse no idioma original – porque eu sou muito chique ;). Conta a história, às vezes em primeira pessoa, às vezes em terceira, de um guri de Montevideo desde a sua infância até início da vida adulta. O mote da história são as mudanças que sua família vai fazendo por diversas ruas e bairros da cidade, e a relação que o rapaz desenvolve com cada um desses lugares. Eu adoro esse tipo de romance, com detalhes do cotidiano, então gostei muito!

.

4. A Humilhação (Philip Roth): a história de um ator 60tão que de repente perde a habilidade de atuar. Tentando se recuperar desse trauma, ele se envolve em terapias e um relacionamento amoroso um tanto peculiar. Gostei muito e terminei em pouquissimo tempo. Teve um momento que eu parei de ler, pra revervar aquelas páginas pra momentos importantes, como sala de embarque ou o voo de ida e volta para Floripa 🙂

.

.

Este último livro foi uma sugestão que recebi depois de pedir dicas via Twitter e Facebook. Anotei as dicas recebidas e parti para uma tarde deliciosa entre puffs da Livraria Cultura. Li um pouco de cada um, e em seguida optei por aquele que estava em promoção! Uma bela escolha. No mais, as outras dicas recebidas foram:

  • Na pior em Paris e Londres
  • A Utopia
  • Bartleby, o escrivão
  • The Beatles, a história por trás das canções
  • O visconde partido ao meio

Agora vou reencontrar o Bandini e em seguida pretendo voltar para A Primavera num Espelho Partido (Mario Benedetti), que comecei nesse meio-tempo e acabei parando pra ler Eat, Pray, Love.